Criada no Congresso Nacional Frente Parlamentar para implantação da Ferrovia Rio-Vitória


Frente Parlamentar também defenderá o tramo leste da Ferrovia Bioceânica, que ligará Mato Grosso a Campos dos Goytacazes

Foi criada na tarde desta quinta-feira, dia 27, no Congresso Nacional, em Brasília, a Frente Parlamentar Mista, suprapartidária, em defesa da implantação das ferrovias EF-118 (Rio-Vitória) e EF-354 (Mato Grosso-Campos dos Goytacazes), o tramo leste da Ferrovia Bioceânica. Essas duas ferrovias formarão a principal artéria logística do Brasil, fundamentais para o desenvolvimento do país, em particular dos estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais.

Presidida pelo deputado Evair de Melo (PV-ES), a frente parlamentar tem o objetivo de defender as ferrovias e auxiliar o Governo Federal no estudo de sua implantação e no marco regulatório do Sistema Ferroviário Nacional. O Congresso Nacional vai acompanhar a evolução dos projetos e a criação do modelo de concessões para as novas ferrovias.

Na reunião de hoje, a Câmara dos Deputados do Rio de Janeiro foi representada pela deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ), presidente da Comissão de Viação e Transportes. Também estiveram presentes o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), membro da Comissão de Infraestrutura do Senado; o secretário de Estado de Transportes do Rio de Janeiro, Carlos Roberto Osorio; e o secretário de Estado de Transportes do Espírito Santo, Paulo Rui.

Compareceram ao evento representantes de entidades do Setor Ferroviário como a Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

As audiências públicas da ferrovia EF-118 foram concluídas e a próxima etapa é encaminhar a incorporação no projeto das sugestões obtidas nas audiências realizadas no Rio de Janeiro e Espírito Santo. Em seguida, o projeto segue para apreciação do Tribunal de Contas da União (TCU) e, posteriormente, será colocado em licitação pública pelo Governo Federal para concessão por meio de parcerias público-privadas (PPPs).

No dia de hoje também foi estabelecido protocolo de intenções entre Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, para elaboração de projeto da EF-354 (Mato Grosso-Campos dos Goytacazes), tramo leste da Ferrovia Bioceânica.

“Com a criação da Frente Parlamentar, a defesa do investimento destas ferrovias, tão estratégicas para o Brasil, chega ao Congresso Nacional. Com isso, ganhamos força para tirar os projetos do papel e avançarmos para as próximas etapas, como a modelagem econômico financeira”, disse o secretário de Estado de Transportes do Rio de Janeiro, Carlos Roberto Osorio.

Com potencial de carga de 100 milhões de toneladas por ano, a EF-118 interligará a Região Metropolitana do Rio com Vila Velha, na grande Vitória. A ferrovia se articulará com a futura EF-354 (Estrada de Ferro Transcontinental – ligação ao Peru), a partir de Campos dos Goytacazes, atravessando as regiões minerais e agrícolas de Minas Gerais e do Centro Oeste brasileiro, e possibilitando a conexão com os mercados europeu e asiático. Além disso, a nova ferrovia estará interligada com a rede da concessionária MRS, que liga o Rio de Janeiro a São Paulo e Minas Gerais. E, no Espírito Santo, com a estrada de ferro Vitória-Minas.

A EF-118 atenderá a demanda da rede portuária dos dois estados, incluindo os portos de Sepetiba, Itaguaí, Macaé, Barra do Furado e Açu, no Rio de Janeiro, e os portos Central, Ubu, Tubarão e Vitória, no Espírito Santo e posicionará o Rio de Janeiro como a plataforma logística de classe mundial. A província portuária do Rio de Janeiro e do Espírito Santo será a maior do país, estando ancorada pelos superportos do Açu, do Rio de Janeiro e Central, no Espírito Santo. Esses são dois portos de grande capacidade, calado profundo acima de 20 metros, capazes de receber navios graneleiros de última geração. Essa nova infraestrutura logística, que integra portos e ferrovias de grande capacidade, possibilitará a atração para o Rio de Janeiro de novos empreendimentos industriais e logísticos, fazendo do estado uma grande plataforma de entrada e saída de produtos de todo o Brasil, com geração de emprego e renda de forma sustentável e por longo prazo.

Já a EF-354, ou Ferrovia Transcontinental, terá aproximadamente 4.400 km de extensão entre o Porto do Açu, no Norte Fluminense, e a localidade de Boqueirão da Esperança/AC, passando pelos estado de Goiás, Mato Grosso e Rondônia, como parte da ligação entre os oceanos Atlântico, no Brasil, e Pacífico, no Peru. O objetivo é estabelecer alternativas mais econômicas para os fluxos de carga de longa distância; propor nova logística para o escoamento da produção agrícola e de mineração para os sistemas portuários do Norte e Nordeste, reduzindo o percurso e o custo do transporte marítimo de grãos e minérios exportados para os portos do Oceano Atlântico, Europa, Oriente Médio e Ásia; além de interligar a malha ferroviária brasileira e incentivar investimentos, que irão incrementar a produção e induzir processos produtivos mais modernos.

About the Author

Luiz Souza
Fotojornalista criador do site Subúrbio RJ. O objetivo do site é compartilhar notícias e acontecimentos importantes da cidade do Rio de Janeiro e da região metropolitana do Rio. O foco principal do site é a divulgação de notícias relacionadas à cultura e eventos importantes para a cidade como o Jogos Olímpicos Rio 2016.

Be the first to comment on "Criada no Congresso Nacional Frente Parlamentar para implantação da Ferrovia Rio-Vitória"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*